O candidato finalista declinou, e agora?

Imagine que a sua empresa teve um grande trabalho no processo de divulgação de uma vaga, na triagem dos currículos, na convocação para entrevista, nas análises técnicas e comportamentais ou até mesmo contratou uma empresa especializada para encontrar o candidato ideal mas, o profissional desistiu da vaga… Essa é uma situação bastante frustrante para quem conduz processos seletivos, pois a desistência implica em estender o prazo da contratação do zero.

E por que os candidatos desistem? Os motivos podem ser inúmeros e diversos! Casos como, receber uma proposta com salário maior e mais benefícios de outra empresa, a demora no feedback do processo seletivo, processos com muitas e demoradas etapas, má reputação da empresa, falta de identificação com o ambiente ou a cultura da empresa, divergência de informações entre o que constava no anúncio da vaga e o que foi dito pelo entrevistador, dentre outros motivos, são as causas mais frequentes de desistência.

Em uma pesquisa feita com 500 profissionais pela plataforma de recrutamento e seleção InfoJobs, foram levantadas informações sobre o comportamento dos candidatos frente aos processos seletivos. Para 70,2% dos respondentes, a reputação da marca empregadora é um fator importante ou muito importante para aceitar uma proposta de emprego. A maioria dos respondentes da pesquisa informaram que fazem busca por páginas de opinião e redes sociais sobre a empresa antes de tentar uma vaga. Nesta mesma pesquisa, aponta que 43,8% dos entrevistados reclamam da falta de feedback, sinalizando que essa é uma das piores frustrações em um processo seletivo. 26,4% dos respondentes disseram também, que não gostam de processos seletivos com muitas etapas. Esses índices, nos ajudam a entender alguns dos motivos das desistências dos candidatos.

Buscar informações sobre a motivação de um candidato deixar a seleção é um fator primordial para melhorar todos os aspectos do processo seletivo. Mas, uma vez que o candidato declinou, o que fazer? Seguem três dicas importantes:

1 – Reavalie os candidatos finalistas

A sua “short list”, ou seja, os 2 ou 3 candidatos que foram aprovados e chegaram à etapa final, que denominamos os finalistas, certamente possuem muitos pontos fortes que se aproximam do perfil ideal. Verifique novamente o perfil de cada um deles e avalie se a desclassificação pode ser reconsiderada. Alguns quesitos técnicos que não foram atingidos por completo, por exemplo, podem ser sanados com treinamento. Tente verificar se os candidatos finalistas ainda estão disponíveis e veja se existe possibilidade de uma “segunda chance”. Os que permaneceram no processo seletivo certamente ficaram engajados, então, resta saber se o perfil pode se aproximar do que a vaga exige.

2 – Reavalie o perfil da vaga

Verifique se existe algo no perfil que pode ser flexibilizado para que o tempo de busca do profissional seja otimizado. Muitas vezes a descrição do perfil é supervalorizada, o que demanda um tempo muito maior na seleção. Seja mais prático ao definir o perfil ideal e não solicite skills que não serão cruciais na rotina da função. É importante na divulgação da vaga inserir somente as habilidades essenciais para o cargo e coerentes com a jornada de vida do profissional. Isso fará com que você encontre profissionais com mais assertividade e principalmente velocidade, já que você já perdeu um tempo importante depois que seu candidato ideal declinou.

3 – Faça uma pesquisa do motivo da desistência

Saber o que fez com que o seu candidato ideal declinasse traz informações valiosas para buscar melhorias no processo e na estratégia da gestão de pessoas. Avaliando o caso com cuidado, a empresa pode descobrir, por exemplo, que o pacote de remuneração não está atrativo com o mercado ou que a maneira como as etapas foram definidas é longa demais. É muito importante lembrar que o candidato também está avaliando a empresa, assim como a empresa analisa todos os aspectos do perfil do candidato. Toda a experiência do candidato durante o processo seletivo impactará na sua percepção da marca. Um candidato que rejeitou a vaga porque não teve uma boa experiência, pode se recusar a participar de outros processos com sua empresa e até mesmo difamar ela, influenciando os que estão ao seu redor com uma opinião negativa sobre a organização. Por isso, é imprescindível pensar no candidato como se fosse um cliente e garantir sua satisfação. O feedback dos candidatos, assim como os dos colaboradores, é uma ferramenta poderosa para rever aspectos que podem ser melhorados no processo seletivo e empresa no geral, evitando mais desistências.

Desistências também podem indicar que o candidato não teve fit cultural com a sua empresa, o que é positivo, afinal, você quer encontrar um candidato que realmente irá se adaptar ao ambiente da empresa, certo? Então não desanime! Se for necessário, reinicie o processo e ganhe experiência com as desistências buscando melhorias contínuas!




Gostou? Compartilhe!

Deixe sua opinião.

Você também pode gostar de ler:

onboarding

Onboarding – o que é?

Em inglês, onboarding significa “embarcar”. Podemos então dizer que é o processo de adaptação e integração de colaboradores recém-chegados a uma empresa em sua cultura.